Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Crise pediátrica em PE: saiba como fortalecer a imunidade das crianças

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, a frequência de adoecimentos das crianças acontece, principalmente, até os dois anos de vida, porque elas têm um sistema imunológico ainda imaturo. O aleitamento materno será fundamental nessa idade para fortalecer a imunidade. Frente à crise que assola Pernambuco, com o aumento de casos de síndrome respiratória aguda grave que causa filas nas UTIs pediátricas, essa e outras medidas podem fortalecer a imunidade infantil, como orienta a nutricionista credenciada ao Cartão Saúde São Gabriel, Lígia Lima.

 

“A introdução alimentar que deve ocorrer aos seis meses de vida, quando realizada de forma correta, irá promover o fortalecimento das células do sistema imune da criança. Um consumo adequado de frutas e vegetais irá fornecer fibras, vitaminas e minerais, em especial vitaminas do complexo B, vitaminas A, D, C, zinco e ferro, importantes para estimular as células imunológicas. Uma alimentação que priorize alimentos de verdade, fontes de proteínas como carnes, leite e ovos, além de pró e prebióticos presentes nos iogurtes, cereais integrais, aveia e feijões serão também fundamentais. Além disso, não esquecer o consumo de água em quantidades ajustadas às necessidades da criança, ao longo do dia”, explica a especialista.

 

Ela conclui orientando os pais quanto ao cuidado com os alimentos industrializados, que são vilões para a saúde infantil. “Crianças maiores, principalmente em idade escolar, estão expostas a alimentos industrializados. Estes alimentos devem ser evitados porque além de gorduras, açúcar e sal em excesso, contém aditivos químicos, corantes e conservantes, que provocam alterações na células do sistema imune, alterando seu funcionamento. Os alimentos processados e ultraprocessados, como biscoitos, bolachas, doces, frituras, refrigerantes, salgadinhos entre outros, prejudicam a saúde da criança favorecendo aumento da inflamação além de ser uma das grandes causas de obesidade”, finaliza.